Futurejo realizou evento para explorar possibilidades do metaverso para o varejo
Divulgação

Futurejo realizou evento para explorar possibilidades do metaverso para o varejo

Mesmo o metaverso estando no centro de diversas discussões, ainda é difícil vislumbrar as oportunidades para empresas explorarem esse novo universo na prática. Pensando em ajudar sobretudo os varejistas na construção desse novo cenário, o Futurejo, grupo de retailtechs unidas para pensar o futuro do setor, elaborou em evento alguns princípios fundamentais para quem deseja sair na frente. Formado por Bornlogic, Incentive.me, Pricefy e R2U, o grupo mostra como aproveitar essas oportunidades.

O primeiro passo apontado é aprender não só sobre o ambiente imersivo como também sobre as tecnologias do ecossistema, como criptomoedas, NFTs, carteiras digitais, entre outras. A noção inicial das ferramentas que fazem parte desse contexto é fundamental para enxergar todas as potencialidades. As criptomoedas, por exemplo, deixaram de ser apenas uma forma de investimento e passaram a ser base essencial de qualquer iniciativa, tanto para sua realização quanto para sua escalabilidade.

O segundo ponto é avaliar quais são os objetivos para as ações planejadas, a partir dos quais pode ser levantada a melhor estrutura para operá-los. A ideia pode ser captar mais clientes, oferecer uma experiência nova, engajar os consumidores para fidelização, entre diversas outras possíveis. Assim, é possível utilizar parte do know how sobre clientes adquirido pela equipe das lojas físicas na construção de um espaço, serviço ou experiência personalizados no metaverso. “O mais importante agora é testar. Você não precisa ter uma estrutura completa para se aventurar no metaverso. O lado bom de começar a construir a história agora é que há poucos riscos envolvidos, de modo que você pode explorar vários modelos de negócios antes de lançar um produto efetivo”, afirma Jansen Moreira, CEO da Incentive.me. “Mas deixar para depois pode ter um risco alto, de ser superado pelo mercado e não encontrar mais espaço para atuar. É a hora de testar e aprender rapidamente”, completa Valéria Carrete, CRO da R2U. 

Além de exemplos de empresas que já estão oferecendo soluções, a conferência discutiu ainda como gerar valor por meio de NFTs e estratégias e oportunidades reais a serem exploradas. “As novas gerações já estão imersas no ambiente digital, é um movimento que já está acontecendo. E as marcas precisam acompanhar esse público consumidor em todos os canais, físicos e virtuais, se desejam ter relevância no mercado”, conclui Fernando Cardoso, CRO da Bornlogic.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários